quarta-feira, 26 de outubro de 2011

RECONHECIMENTO E VALORIZAÇÃO: É isso que o Funcionalismo Público quer



O governo Wagner mudou sua orientação em relação ao funcionalismo. Do início da primeira gestão ao da segunda, há grande diferença de postura. A Mesa Central foi unilateralmente desativada. Em 2011, não houve uma única negociação sequer sobre a pauta geral apresentada pelos servidores e as específicas se arrastam sem definições. Lamentavelmente, voltamos ao tempo em que a data-base no Estado resumia-se apenas a um carimbo no Protocolo da Governadoria.
A opção de não negociar gera vários problemas. Antigas reivindicações não atendidas perduram na injustiça, enquanto direitos e conquistas solapados aumentam o passivo do Estado para com seus servidores, que já é historicamente grande. A troca da conversa pela imposição traz sérios problemas ao próprio governo, como por exemplo, todo desgaste oriundo das mudanças no Planserv.
No meio do ano, uma paralisação do setor de saúde durou vários dias e forçou o governo a negociar. Porém, passados quase quatro meses, a Secretaria de Saúde (SESAB) não cumpriu os compromissos e um novo movimento se avizinha. Parece que os gestores não estão preocupados. Na educação, segurança pública e demais segmentos de servidores, a realidade é muito semelhante. Sem diálogo, a opção de muitas categorias é ir à justiça em busca do direito ou deflagrar greve para arrancar as reivindicações.

URV

Outro exemplo é o caso da URV. O Estado deve, a justiça vem decidindo em favor do funcionalismo, há disposição dos servidores em negociar, mas a opção é procrastinar um direito certo ao invés de encontrar uma saída conversada. Aguardar posição do Supremo Tribunal Federal, como vem declarando o governador à imprensa, para então dialogar com o servidor é abraçar a postura de governos retrógrados ajudando a judicializar a questão, quando o entendimento poderia resolver o impasse.
O servidor público é o estado na vida do cidadão
O servidor está na ponta, nas salas de aula, nos hospitais, no enfrentamento aos bandidos, na fiscalização e arrecadação de impostos, enfim, no atendimento direto à população nas repartições públicas. Em muitos casos, o trabalho é exercido em condições adversas e cumprido pelo compromisso que a imensa maioria tem com o cidadão e pela responsabilidade com a função assumida. Mas é impossível negar que é grande a insatisfação. E um servidor insatisfeito pode representar a falência do sistema. Não se governa para o povo sem ouvir quem está próximo à sociedade.
O governo pode mudar este quadro. O governador Jaques Wagner sempre repete que é um homem de diálogo.  Nunca é tarde para corrigir rumos e é sempre bom lembrar que, além de trabalhador o servidor público é um eleitor.


*Nota para distribuição no dia da manifestação pela passagem do Dia do Servidor Público, no Iguatemi,dia 25.10.

Manifestação em Salvador



segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Ata da Assembléia Geral Extraordinária do SINTEST-BA/UEFS 29/09

Ata da assembléia extraordinária dos técnicos estaduais da Universidade estadual de Feira de Santana, realizada aos vinte e nove dias de setembro de dois mil e onze, no auditório IV, modulo VI da UEFS para tratar da seguinte pauta 1) Informes; 2) Paralisação dia cinco e vinte cinco de outubro de dois mil e onze com ida a Salvador; 3) Orçamento e autonomia das Universidades; 4) O que ocorrer.O Presidente do SINTEST, Deibson Cavalcanti começou a assembléia às nove horas e trinta minutos em segunda convocação, onde logo de inicio foi colocado em votação se seria uma assembléia ou uma reunião ampliada devido ao baixo número de presentes, onde seis servidores votaram a favor de ser assembléia, e três a favor de reunião ampliada, e houve uma abstenção. Sendo assim seguiu-se para o primeiro ponto, os informes: onde foi informado o que ocorreu no fórum das doze e no fórum dos técnicos que aconteceu em Vitória da Conquista. A coordenadora de Eventos do SINTEST Roquidéa segue comunicando, o que ocorreu na ida para Salvador no dia vinte seis de setembro de dois mil e onze, para o lançamento do Fórum Estadual Pela Valorização dos Serviços e Trabalhadores e Trabalhadoras Públicos da Bahia, realizada no Hotel Portobello. Em seguida Roquidéa também avisa da carta que foi elaborada para ser enviada ao governador Jaques Wagner e leu para os presentes, logo após esclareceu as duvidas dos servidores presentes. O presidente do SINTEST segue dando os informes onde comunicou da organização de dois grandes seminários, o primeiro a respeito da copa do mundo (o papel do funcionário publico na copa), o segundo sobre a valorização do funcionário público, onde as datas previstas são nos meses de novembro e dezembro. A servidora Rita Suzart comunica sobre a atuação da comissão de evento, se mostra indignada pelo horário que o evento da secretaria foi marcado, onde ela procurou Rossini visando uma solução. Também comentou da questão dos animais do campus, a questão dos cachorros que estão entrando na Universidade e atacando os gatos, e levantou um questionamento: E se esses cachorros começarem a atacar as pessoas? E pediu para as pessoas presentes a divulgarem a questão da adoção de animais. Passado esse momento a Coordenadora de Eventos Roquidéa comunica da intensa luta do SINTEST em conseguir uma vaga no conselho do PLANSERV. Passando a palavra para os demais presentes o servidor Vandson informa sobre o primeiro seminário de assistência estudantil, que será realizado na UEFS, sendo que contará com a participação das outras Universidades Estaduais, que será realizado nos dias vinte dois e vinte três de novembro, onde conta com a presença tanto dos alunos como dos servidores, onde ocorrerá entrega de certificados. Ainda no momento informes o presidente do SINTEST comunica da retomada das atividades da Estatuinte. Diz que há vagas em comissões, sendo elas: Estatuinte, ações afirmativas, comissão de Esportes. E também avisa sobre a intensa luta em busca de um melhor plano de cargos e salários, onde caso consiga muitos servidores não terão direito pois não participam de comissões. Seguindo para o segundo Ponto de Pauta sobre a questão das paralisações dos dias cinco e vinte cinco de outubro, foi colocado em votação se haveria ou não, a maioria dos servidores presentes aprovaram, onde houve uma abstenção, então ficou definida paralisação com ida a Salvador. O servidor Vandson pede a palavra e faz algumas observações sobre paralisação, onde diz que todo tipo de paralisação é valido, inclusive aquelas que os servidores não participam e ficam em casa. Passada a fala de Vandson, a servidora Rita Suzart pede a fala e faz uma observação, que os servidores não participaram de manifestações em prol do PLANSERV, que envolve diretamente a saúde de todos, então não são outros assuntos que vão mobilizar essas pessoas, que a maioria dessas pessoas só querem paralisar para ganhar um dia de folga. Seguindo Marcos Luciano comenta a questão dos pontos discutidos em assembléias anteriores, que estão sendo esquecidos, e que isso não deveria acontecer. Então seguiu para o próximo ponto a questão do orçamento e autonomia das Universidades, onde o Presidente do SINTEST prestou alguns esclarecimentos, e após isso foi colocado alguns pontos para reflexão. O servidor Marcos Luciano se dispôs a ajudar na questão da divulgação de informações, onde Deibson achou de extrema importância essa atitude. Após todos esses momentos encerrou-se a assembléia.